sábado, 18 de dezembro de 2010

credo

Leio em teus ais o modo oneroso,sofredor do véu da que o leva.e em puz tudo isto: o brilho , o frêmito,o nosso amor,o qual foi concedido pelo hibrído manto, correu da vertigem vadia, sofreu o não saber dos cônscios actos,foi forçado,torto e adaptado,morreu ao segundo dos corpos,gritou no terreiro do dia,aludiu ao céu, e está calado à espreita dos seus,no cais honroso de onde sairá para culpar os uivos tortos. e em meio de mítico espanto ,canta a peleja vã na solução dos prantos, na observação dos velados, na revelação do morto e da sua saída da arena.

ámen.

1 comentário:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar